Leilões de centavos: descontos, plágios e uma pitada de sorte | Designers Brasileiros

Sites do gênero se multiplicam pelo Brasil, oferecendo aos usuários a oportunidade de pagar pouco e ganhar muito, ou gastar muito e não levar nada.

Os sites de leilões de centavos, tal qual os de compras coletivas, vêm se proliferando pelo Brasil – o Vigilante dos Leilões lista 29 deles, entre ativos, provisoriamente inativos e encerrados. Muitos empreendedores, enxergando a oportunidade de ganhar dinheiro fácil, investem no modelo, crentes de que, em pouco tempo, terão muito o que comemorar.

Mas, se em uma loteria só o provedor dos bilhetes e o vencedor do sorteio ganham – todos os outros perdem – com os leilões de centavos a coisa é parecida – a única diferença é que o prejuízo para os perdedores costuma ser maior.

Os sites de centavos funcionam da seguinte forma. Os compradores dão sucessivos lances que aumentam em 1 centavo o valor a ser pago pelo produto. No entanto, cada lance não custa 1 centavo, e sim de 70 centavos a 1 real. Quando um produto fica sem receber ofertas por um tempo determinado (entre 15 e 30 segundos), ele é finalizado e vendido pelo preço na tela a quem fez a última.

Veja, por exemplo, o caso de um MacBook, que começou a ser ofertado no Olho no Click – primeiro portal do gênero no Brasil, aberto em 2008 – às 6h da última quinta-feira (13/01), e foi arrematado às 9h32min: o felizardo pagará 45 reais por ter feito a proposta derradeira, mais até 66 reais pelo número de tentativas, e, por fim, 116 pelo frete. Total: 227 reais por uma máquina que, embora não seja a versão mais nova, em 2010 era encontrada nas lojas por 2600 reais.

A questão é que muitos usuários gastam mais de cem lances em uma mesma oferta, e quando percebem o quanto já despenderam, em geral se recusam a parar. Sim, lembra um jogo de azar. O leilão do iPad 3G de 16GB, oferecido no mesmo site, durou mais de oito horas – só foi finalizado ás 5h15min da quinta-feira – e o usuário terá de pagar até 1760 reais por ele, muito por causa das suas 1563 propostas. Ainda valeu a pena, já que o preço oficial é de 2049, mas e se tivesse perdido? Quando passou de mil tentativas, deve ter percebido que não podia mais largar, mas, provavelmente, precisou competir com outros usuários que se excederam e pensavam da mesma maneira.

Enquanto isso, o Olho no Click – que arrecadou 5 milhões de reais em 2010 e projeta 10 milhões para este ano – pode ter arrecadado o aparelho por até 11.500 reais (basta multiplicar o valor final por 100, para ter o número de arremates, e somar o resultado ao preço da última proposta e ao frete cobrado). Um senhor negócio.

No fim das contas, haverá um usuário contentíssimo por ter em sua casa uma TV LCD e um MacBook, tendo gasto menos de mil reais. É capaz de vermos sua imagem sendo veiculada nos portais de leilões de centavos junto a uma declaração valorizando o feito e o serviço – publicidade já usada por quase todos eles. Por outro lado, muitas pessoas perceberão, ao fim do mês, que suas contas bancárias estão menores, mas, em troca, não receberam nada.

Descontos aos descontentes

Para os que gastaram muito, mas não conseguiram nada, alguns portais lançaram uma tendência: descontos proporcionais. Assim, os reais gastos com lances podem ser recuperados comprando produtos do próprio site.

A princípio, parece estranho, afinal, é justamente com o dinheiro gasto em vão que esses sites de leilões lucram. Mas basta uma pequena investigação para perceber como o modelo funciona. Antes de mais nada, os descontos não são cumulativos, ou seja, se o usuário fez 20 propostas pelo iPad já citado, poderá usá-las, apenas, para comprar este mesmo produto por um preço até 20 reais menor. Nada de juntar tudo e adquirir um Playstation 3 no final do mês.

Os descontos, ainda por cima, são praticados sobre o “preço de mercado” estipulado pelos próprios portais. O tablet da Apple de 16GB, com 3G, segundo o Olho no Click, custa 2500 reais. No próprio site da Apple o dispositivo está por 2050 – em algumas lojas, chega a ser encontrado por 1850. Enfim, se supusermos que o usuário fez 200 propostas (com valor de 1 real por lance), pagará 2300 por ele. Além disso, o tempo para a entrega é de até 20 dias, mas, dependendo dos fornecedores e do local do destinatário, pode demorar mais.

Outro portal que também diz oferecer o mesmo privilégio é o recém-inaugurado Bidy. Porém, uma TV LED de 40 polegadas da Philips, cujo leilão ocorreu na última terça-feira (11/01), tinha o valor de 3.799 reais, enquanto que, na loja virtual Shoptime, encontra-se o mesmo aparelho por 2199. Portanto, o usuário, na ânsia de evitar o prejuízo, pode ter um ainda maior.

Segundo Fernado Wolff, diretor de marketing do Bidy, o preço estimado não leva em conta “promoções pontuais”. Eles pesquisam na Internet as lojas que vendem o produto por seu “valor de mercado” e calculam a média. Assim, resolvem o quanto os usuários terão de pagar caso decidam comprá-lo. No caso da TV da Philips, justificou, há o agravante de ela ter sido anunciada um mês antes, por isso a grande diferença entre as cotações.

A possibilidade de adquirir o produto depois do leilão não se aplica a todos as ofertas. O Olho no Click afirma que só as que estiverem sinalizadas com o desenho de um carrinho de compras terão tal condição – até 25% de desconto – mas não encontramos nenhuma no momento de nossa pesquisa. O Show de Centavos usa símbolo semelhante, e todos os produtos estavam marcados – alguns podendo ser comprados com abatimento integral, o que pode valer a pena. Já no Bidy, não há como saber – nos “Termos e Condições” só se lê que “em alguns leilões” o site pode oferecer “por iniciativa própria” uma “opção (de) comprar com desconto” – entretanto, o responsável pelo serviço afirma que, “salvo algumas exceções”, todas as mercadorias se valem da vantagem. Com o Bidshop é a mesma coisa, mas o banner no site deixa explicitado que “todos os lances viram 100% de desconto”.

A ideia de oferecer abatimentos é astuta. O próprio Show de Centavos estabelece que o valor do Netbook Megaware com Intel Atom 450N é de 1300 reais, mas um de seus fornecedores, o Comprafacil, vende o mesmo produto por 900 reais. É como pegar suas fichas e, em vez de gastar no cassino do hotel, usá-las no bar. E, ainda por cima, pagar mais pela cerveja.

FONTE: http://idgnow.uol.com.br/internet/2011/01/17/leiloes-de-centavos-descontos-plagios-e-uma-pitada-de-sorte/

Dalmir
Author

Dalmir Junior é fundador do Designers Brasileiros e Coordenador de Criação na Prefeitura de Franco da Rocha.

Comentários no Facebook