Adobe CS5, a evolução de uma Identidade. | Designers Brasileiros
O pacote CS5 da Adobe foi lançado há um tempo considerável, mas nem todo mundo já teve oportunidade de usar. Eu, entusiasta que sou, não consigo ficar sem experimentar novidades tecnológicas. Em se tratando de softwares, faço sempre questão de estar com a última versão em mãos. Mas é um ato consciente, afinal, no mercado de hoje cada vez mais voraz, as empresas fazem todo o possível para vender seus produtos. E a atualização constante de versões com novidades e inovações é um dos artifícios mais conhecidos.

Mas não é só pelas novidades que um novo produto é desejado. É preciso que se crie uma campanha em cima disso, que se crie expectativa para o lançamento e principalmente que essa evolução seja perceptível visualmente. A nossa apple, por exemplo, é campeã neste quesito (e como conseguem tornar tudo objeto de desejo!).

Agora, voltando ao assunto. A Adobe possui uma identidade sólida em seus produtos. Sua Creative Suite já alcançou a 5ª edição e alguns dos programas que fazem parte dela já somam 15 ou 20 versões. Para poder acompanhar esse ritmo e agregar tantos programas em uma só família, é necessário um projeto gráfico abrangente e flexível.

Vamos relembrar?




Mas essas imagens aí em cima já são mais do que batidas, então vamos ao que interessa: queria compartilhar uma espécie de “making of” do processo de criação da identidade da interface CS5.

Depois de meses de especulação e sugerindo, a Adobe lançou a versão mais recente da sua caixa de ferramentas de projeto popular, Creative Suite 5. Debaixo de um monte de novas funcionalidades, a suíte também recebeu uma atualização da marca global.
Desde seu humilde início, em tons de cinza no Macintosh Plus, o Adobe Photoshop e, mais recentemente, o Adobe Creative Suite se tornou um instrumento de trabalho vital para todo designer, mudando para sempre a maneira de trabalhar.

Evolução de uma marca desktop

Desde o lançamento no final de 1980, a Adobe – Photoshop e Illustrator – viveu durante anos sem mudar muito. Versão após versão, todos conhecíamos o Illustrator pela sua interpretação digital de Vênus de Botticelli e Photoshop pelo seu icônico globo ocular enquadrado (posteriormente transformado em estrela do mar e penas, respectivamente, para o CS e CS2).

Isso tudo mudou em 2005, no entanto, quando a Adobe englobou a Macromedia em um império multimídia gigante. A equipe da marca Adobe se deparou com um desafio: como você mescla dezenas de ofertas de produtos de duas empresas diferentes em um sistema coeso? Como pode se tornar o Macromedia Flash Adobe Flash?

Sob a liderança do designer in-house Ryan Hicks, um novo sistema nasceu com o lançamento do Creative Suite 3. Usando a cor como principal ponto de referência, a equipe da marca Adobe aprovou o uso minimalista de duas letras para criar uma aparência consistente em toda a sua família recém ampliada de produtos. Com a introdução dos novos ícones, o Flash pode finalmente se sentir em casa sentado ao lado do Photoshop no banco dos réus.

No entanto, mem todo mundo ficou feliz quando o novo visual foi revelado em 2007. A reação inicial entre os usuários foi, para ser gentil, bem variada.


Certa vez, Shawn Cheris, designer-chefe da equipe de branding da Adobe declarou: “Quando a Adobe lançou o novo sistema de marca com o CS3, as pessoas o odiaram. Eu odiei. Mas uma vez que eles começavam a usar e percebiam o quanto os programas eram mais funcionais, as pessoas mudavam 100% de opinião. Agora você pode comprar travesseiros CS e similares.”

Apesar da reação inicial, os ícones se mantiveram vivos até o lançamento do CS4, trocando as letras em branco para o preto translúcido. Com a introdução do CS5, a Adobe queria apresentar uma clara mudança. Cheris explica no blog XD Adobe:

“Quando começamos a pensar sobre o que queríamos fazer para o CS5, a única coisa na qual todos nós concordamos era que queríamos trazer de volta um sentimento de alegria com o trabalho da marca. Nosso objetivo era ir além da expressão monolítica dos sistemas CS3 e CS4 e criar uma linguagem mais dinâmica. Queríamos trazer inspiração, uma qualidade artística para o sistema de identidade, aproveitando os padrões de sucesso que estabelecemos com CS3 e CS4. Todos sentiam falta daquelas imagens mais divertidas que foram uma grande parte do patrimônio da Adobe. Queriam fazer uma surpresa, inspirar nossos usuários e dar-lhes algo novo.”

Criando as telas de abertura (splash screens)

Olhando para outros problemas de escala de projeto de grande porte, a equipe encontrou inspiração em particular na abordagem sistemática de Otl Aicher para a iconografia das Olimpíadas de 1972, em Munique. Construído sobre um sistema de grade isométrica, os ícones de Aicher foram individualmente únicos, mantendo a coerência em todo o conjunto. Uma solução ideal para uma empresa que vende um número sempre crescente de aplicações.

Uma grade isométrica semelhante à de Aicher tornou-se o alicerce do sistema visual novo. Usando a grade, começaram a apresentar formas que poderiam ser usadas como um modelo para a criação de formas mais complexas. Estas formas se tornaram a base para o novo kit da Adobe – um sistema de peças.


A partir do grid, a equipe da marca desenvolveu um conjunto de blocos de construção usado para criar telas de apresentação para a suíte. Os blocos foram colocados juntos em grupos de cinco, de modo a criar uma forma única para cada produto. “Depois de muita experimentação, descobrimos que cinco peças daria às formas a quantidade certa de complexidade. Que este foi também o lançamento da quinta Creative Suite foi apenas uma feliz coincidência”, explica Cheris.

O último projeto de tela inicial retorna para o sistema de cores que aprendemos a amar desde o redesenho do CS3, com uma pequena distorção. Para ajudar a aumentar a diferenciação visual entre as linhas de produtos no CS5, um desenho em duas cores sutis foi introduzido.


Atualização do sistema de ícones

Os ícones ‘dobrados’ como livros planos foram inspirados pela linguagem visual criada nas telas de apresentação, usando o mesmo brilho metálico e translucidez. Interrogado sobre as reações mistas que todas essas mudanças causariam, Cheris respondeu:
Tenho acompanhado as reações variadas com alguma diversão. A reação às telas splash tem sido muito positiva, mas as pessoas não têm certeza do que fazer com os ícones, o que não é atípico… Nos os tivemos em nosso ambiente de trabalho durante a maior parte do ano e a maioria dos designers por aqui passaram a apreciá-los. Eles são um pouco translúcidos, e quando estão todos alinhados, têm uma ótima aparência. Além disso, sem as telas de apresentação, eles parecem um pouco estranhos. Por que 3D? É porque é um livro? Eu acho que quando as pessoas vêem o sistema como um todo e começam a conviver com ele, elas começam a pensar diferente.
Vendo como tudo se encaixa, tenho que concordar que faz mais sentido. Não é revolucionário, ou mesmo um grande salto a partir de versões anteriores, mas é uma melhoria de segurança e sutileza.

Tal como aconteceu com CS3 e CS4, os novos ícones usam a tipografia “Clean”, desenhada por Robert Slimbach. Curiosamente, enquanto a fonte foi vista pela primeira vez sendo usada nos ícones da Creative Suite, a Adobe anunciou no ano passado que adotaria a Clean como a nova fonte institucional da empresa. Clean substitui as populares tipografias Minion e Myriad, que também foram desenhadas por Slimbach para Adobe (Myriad co-autoria com Carol Twombly). A Adobe não tem planos de licensiar a Clean, ao contrário da Myriad, que é agora a cara de inúmeras outras empresas, como a Apple e o Walmart.

“O que ele produziu é tão clássico quanto todos os seus outros projetos, mas com uma incomum mistura de toques contemporâneos para a renderização na tela e mais “progressista”, eu acho… A maioria das famílias sem serifa não são realmente concebidas para utilização em um texto maior, mas Robert é um mestre em texto e atento a estas condições. Famílias de texto requerem um equilíbrio sutil de harmonia, ritmo e individualidade, e a Adobe Clean lida com esses aspectos muito bem.”
-David Lemon, Gerente Sênior, Desenvolvimento de Tipos da Adobe

Juntando tudo

Adobe recrutou a agência de branding Tolleson Design para criar a embalagem do CS5. A empresa também foi responsável pela embalagem do CS4, embora lado a lado, eu nunca teria imaginado:

Se alguma coisa requer um “Que diabos?”, é isso. Tolleson começou com embalagens minimalistas no CS4 (à esquerda), e o mesmo aconteceu com todas as outras caixas do CS5 (abaixo). Mas por que o Master Collection (da Adobe crème de la crème, no valor de $ 2.600 USD) possui o projeto mais jovial no grupo?


Muito parecido com as telas de splash isométricas criadas por Cheris, os títulos individuais (acima) e Suites Premium (abaixo) se encaixam como uma família, enquanto se mantêm personalizados o suficiente para cada um organizar os seus próprios grupos. Na verdade, Tolleson explica que eles usaram as telas de splash como inspiração para seu projeto.

Fonte: ADOBE

Dalmir
Author

Dalmir Junior é fundador do Designers Brasileiros e Coordenador de Criação na Prefeitura de Franco da Rocha.

Comentários no Facebook