Designers MADE IN Brazil - Rogério Duarte | Designers Brasileiros

Apesar de novo, o design no Brasil gerou grandes e importantes representantes. Nessa série de artigos o Designers Brasileiros vai apresentar alguns desses nomes e um pouco de seus trabalhos.

O primeiro designer a ser apresentado não tinha de fato o título de designer, mas sim artista gráfico, o mesmo garantia que apesar de não ter feito parte da ESDI (Escola Superior de Desenho Industrial – dita a primeira Escola de design no Brasil) foi parte importante para a instalação do design no país, uma vez que os alunos do curso o procuravam para orientações, assim, ele se julgava indiretamente “professor” da escola.

Rogério Duarte Guimarães era escritor, artista gráfico, compositor, poeta e tradutor. Formado pela Escola de Belas Artes, pelo MAN/RJ e pela Escolinha de Arte do Brasil (EAB). Trabalhou com outro mestre do design Brasileiro Aloísio Magalhães (em breve teremos um artigo sobre ele).

Rogério foi um designer diferente dos outros em seu tempo, ele usou de sua comunicação visual para engajar e protestar durante o período da ditadura militar no Brasil (1964-1985). Teve grandes trabalhos no movimento tropicalista, sendo considerado inclusive o representante visual do movimento, também teve forte atuação no Cinema novo brasileiro, onde produziu cartazes para diretores como Glauber Rocha,  Paulo César Saraceni e Arnaldo Jabor.

Duarte teve um trabalho acadêmico relevante, tendo escrito o texto Notas sobre o Desenho Industrial, documento importante para a produção escrita sobre design no Brasil.

Por fim, Rogério Duarte teve grande importância não só para a instalação do design no Brasil mas também para mostrar que é possível designers serem engajados com seu trabalho.

Algumas obras de Rogério Duarte:

Caetano Veloso” (1968) – Rogério Duarte fez a capa do primeiro álbum de Caetano Veloso, com uma foto de David Drew Zingg. Na capa, o cantor aparece em um porta-retrato segurado por uma mulher. O álbum traz faixas como “Tropicália”, “Alegria, Alegria” e “Soy Loco Por Ti América”

O segundo álbum de Gilberto Gil, lançado em 1968, tem mais influência do rock e da psicodelia, inclusive com a participação dos Mutantes em “Pega a Voga, Cabeloudo”.

O disco de Jorge Mautner de 1974 teve uma capa repleta de elementos da Tropicália

O álbum “Como Estão Vocês?” (2003), dos Titãs, saiu com uma faixa multimídia e foi o primeiro sem Nando Reis, que saiu da banda, e sem Marcelo Fromer, que morreu em 2001

Capa do álbum “Brasil”, de João Gilberto (1981) com Caetano Veloso, Gilberto Gil e Maria Bethânia

Cartaz original do filme “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964), de Glauber Rocha, entrou para a história como uma das mais icônicas do país

 

Author

Carioca, designer gráfico pós graduando em Direção de arte para publicidade, TV e vídeo. Atua no mercado de eventos corporativos e promoções como diretor de arte. Apaixonado por design, Cultura e história do design brasileiro. Acredita que o design pode ser usado para além do comercial, mas também para o social.

Comentários no Facebook